segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

VALIDADE


VALIDADE

Atada à propaganda, a mídia inunda
a mente do zumbi consumidor
de carne humana, que o vegano ardor
consola no vazio, o qual lhe abunda.

Anárquica euforia pede bunda
na rima que eu acabo de compor,
então abundo a rima se isso for
conserto pra demência tão rotunda.

Progresso, vem!, até zerar o pote,
faz lucro, e põe a juro o que lucrar,
estende a validade deste lote.

O juro sabe bem inflacionar,
depois, Progresso, inflado, muito arrote
as almas que nem hás de sepultar.


Marcos Satoru Kawanami